Flúor e tireoide não combinam: entenda o porquê

Você já ouviu falar que flúor e tireoide não combinam, porém, não entendeu muito o assunto? Afinal, o flúor é um nome bem conhecido. Você certamente já ouviu falar sobre ele de forma positiva. Presente nos cremes dentais, ele tem uma função de prevenir contra cáries.

Além de estar nos produtos de higiene bucal, também encontra-se abundantemente na água da torneira. A adição do flúor à água do abastecimento público fez que a quantidade dos problemas com cáries diminuísse.

No entanto, como escovamos os dentes muitas vezes ao dia, ficamos expostos ao flúor muito mais do que deveríamos. Se você não sabe, existem pastas de dente e outros itens de higiene bucal sem flúor.

Para entender por que você deveria repensar a quantidade de flúor a qual seu organismo fica diariamente exposto, leia este artigo até o final.

Por que o flúor faz mal

O flúor ingerido em pequenas doses todos os dias tem efeito cumulativo no organismo. Isso significa que não é eliminado, gerando uma grande quantidade.

E o que isso tem a ver com a tireoide? Ora, quando elementos que não são essenciais são absorvidos pelo organismo, acabam sendo preferidos em relação aos micronutrientes essenciais, tais como o iodo, o zinco e o selênio – essenciais para a tireóide.

O flúor, quando mantém contato com o organismo, acaba absorvido pelas mucosas bucais. Essa exposição, portanto, inibe a produção do iodo que é a substância fundamental para manter a boa saúde da tireoide.

Atualmente, a maior parte da água vinda de abastecimento é fluoretada. Mas, as pastas de dente sem flúor já são uma realidade, então, vale a pena dar preferência a esse tipo de produto.

Leia também: Quais os principais benefícios da sauna para o corpo?

Como se livrar do excesso de flúor?

Além de retirar itens fluoretados da rotina – sempre dentro do possível – é preciso submeter o organismo a uma desintoxicação. Até porque o flúor é apenas um dos elementos em excesso que pode estar intoxicando o corpo, atrapalhando o funcionamento da tireoide e de receptores de outros hormônios.

Se após alguns exames notamos que o paciente conta com altas doses de flúor no organismo, recomendamos o Protocolo Detox.

De acordo com a necessidade do paciente, as terapias desse protocolo conduzem ao reequilíbrio do organismo, fazendo que fique conectado novamente ao seu estado mais natural. Assim, os nutrientes voltam a ser absorvidos, conforme as substâncias mais tóxicas são mandadas embora.

Para saber mais sobre o funcionamento do Protocolo Detox e suas terapias, acesse este link. Eu espero que você entenda por que flúor e tireoide não combinam.

Até a próxima!

Dr. Victor Sorrentino

O médico gaúcho Victor Sorrentino carrega em seu DNA a relação com a Cirurgia Plástica. Filho de conceituado Cirurgião Plástico, respirou Medicina desde cedo e seguiu sua formação especializando-se no Rio de Janeiro.